Abertas as inscrições para o 15º concurso “Melhor Empreendimento do Ano” 2011 da Revista Imobiliária

Estão abertas as inscrições para a 15ª Eedição do concurso “Melhor Empreendimento do Ano”, os “Óscares” do Imobiliário português.

Mais informação disponível no website da Revista Imobiliária

Faça também aqui o download da Ficha de Inscrição

Boa Sorte!

RICS PHMS de Novembro revela que o sentimento sobre preços permanence fraco


Estas são as principais conclusões do RICS Portuguese Housing Market Survey de Novembro:

  • Mais pressão para queda de preços, em especial na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve
  • O interesse dos clientes desce, enquanto aumentam as novas angariações para venda
  • Fracas expectativas de curto prazo quanto a vendas a preços em todas as regiões

Nos últimos três meses, segundo o portuguese housing market Survey do mês de Novembro, um número crescente de empresas verificou quedas em vez de aumentos de preços. Tal foi especialmente sentido na Área metropolitana de lisboa e no Algarve, sendo que na Área metropolitana do porto o sentimento de mercado estabilizou. A fraca expectativa relativamente aos preços continua a ser alimentada pela maior oferta e menor procura.

O inquérito indica que as consultas por potenciais clientes diminuíram a um ritmo mais rápido que o verificado no mês anterior.
Já as novas angariações continuaram a aumentar, embora de forma ligeiramente mais fraca que no mês passado.
As empresas que participam no inquérito tornaram-se cada vez mais pessimistas acerca das perspectivas a curto prazo para os
preços e vendas e os dados mostram que tal é essencialmente sentido pelos agentes. Relativamente a perspectivas de preços
de curto prazo, as empresas permanecem altamente pessimistas nas três regiões abrangidas pela pesquisa. No entanto um sinal
de encorajamento é o facto das empresas algarvias se mostrarem ligeiramente mais optimistas que no mês passado.

Sobre o Portuguese Housing Market survey
O Portuguese Housing Market Survey (PHMS) é um inquérito mensal realizado em parceria entre a Ci – Confidencial Imobiliário e o RICS. O seu objectivo é dotar o mercado residencial português de um Índice de Confiança e de expectativas, preenchendo a actual lacuna no acervo estatístico sobre esse sector. Este inquérito assenta num painel de empresas de promoção e mediação imobiliária e cobre as regiões metropolitanas de Lisboa, do Porto e do Algarve. o PHMS encontra paralelismo com outros inquéritos que o RICS realiza noutros países, pelo que gerará resultados comparáveis internacionalmente.

Fonte: CI-Iberica

Conheça aqui em pormenor o Relatório de Novembro do RICS PHMS.

Boas Festas

Desejamos a todos os nossos clientes, seguidores e amigos um Feliz Natal e um excelente ano de 2011…

Christmas tree @ Rockefeller Centre NYC

“Fazer Acontecer a Regeneração Urbana” – CIP defende políticas concretas, claras e exequíveis a curto prazo

“Fazer acontecer a regeneração urbana” é um projecto ambicioso da CIP que, durante um período de 18 a 20 anos, pode criar mais de meio milhão de postos de trabalho, no total, e contribuir, em cada um desses anos, para um acréscimo do PIB em cerca de 900 milhões de euros.

A CIP, Confederação Empresarial de Portugal apresentou um projecto ambicioso para “Fazer acontecer a regeneração urbana”, que visa um conjunto de medidas com incidência ao nível fiscal, legislativo e jurídico, para possibilitar a reabilitação urbana e impulsionar o Mercado de Arrendamento.

O projecto visa uma intervenção não apenas no edificado, ou no parque habitacional, mas na revitalização das cidades, repovoando os centros urbanos, atraindo investimento, aumentando a sustentabilidade ambiental, dinamizando negócios, melhorando o ordenamento do território, aumentando a mobilidade local das pessoas e a mobilidade territorial das famílias.

Através do recurso a empresas portuguesas com know-how e soluções de eficiência energética e urbanísticas de base nacional, o projecto da CIP prevê a criação de mais de meio milhão de postos de trabalho e um acréscimo do PIB anual em cerca de 900 milhões de euros anuais, durante um período estimado de 18 a 20 anos.

Financeiramente o projecto “Fazer acontecer a regeneração urbana” traduz-se num aumento de receita para o Estado e contribui para uma efectiva redução do défice; Economicamente, implica a criação de riqueza e a dinamização do tecido empresarial nacional; e Socialmente, representa a criação de centenas de milhares de postos de trabalho, ao longo de vinte anos. Para além disso, oferecerá, a prazo, às famílias portuguesas a garantia de que poderão encontrar habitações adequadas às suas reais necessidades e possibilidades.

Adicionalmente, este plano irá ainda potenciar mercado para o desenvolvimento das indústrias conexas à da construção e do imobiliário e a outras áreas de negócio e investimento.

Segundo António Saraiva, Presidente da CIP, “o projecto “Fazer acontecer a regeneração urbana” vai contribuir para dinamizar a economia e para aumentar a riqueza nacional: por cada emprego criado no sector da construção, geram-se mais dois empregos adicionais; por outro lado, por cada euro que se investe em construção, gera-se um total de 2 euros e 19 cêntimos em actividade económica, directa e indirecta. Ou seja: há um efeito multiplicador do investimento em construção e imobiliário”.

É possível “fazer acontecer a regeneração urbana” se o Estado, ao nível central e local, adoptar um conjunto de medidas de simplificação legislativa e administrativa e de alteração do sistema fiscal incidente sobre o património imobiliário, que contribua para induzir investimentos no sector da reabilitação do edificado, tornando-o atractivo.

Alguns breves exemplos:

1 – Ao nível fiscal:
• Isenção do IMT na primeira transacção, no caso do prédio se destinar ao mercado de arrendamento e a ele esteja afecto por, pelo menos, dez anos e isenção do IMI a partir da primeira transacção e por um prazo também não inferior a dez anos

2 – Ao nível da legislação sobre o arrendamento urbano:
• Tornar expeditos os processos de despejo, passando a considerar como título executivo a interpelação do senhorio para pagamento de rendas em mora por prazo superior a trinta dias e implementar um Programa Especial de Reabilitação Urbana, que trate os inquilinos de baixos recursos do mercado privado em condições semelhantes aos Programas de Habitação Social

3 – Ao nível do Regime Jurídico da Reabilitação Urbana:
• Implementação de procedimentos municipais em que, para cada zona, se possa conhecer o potencial construtivo e a criação de um regime de licenciamento em áreas de regeneração urbana que permita a simplificação de procedimentos

O documento contém as propostas da CIP e as medidas que preconizamos para desenvolver este mercado que tem potencialidades de crescimento e sustentação como, porventura, nenhum outro tem actualmente em Portugal.

“Fazer acontecer a regeneração urbana” não se trata apenas de intervir no edificado, ou no parque habitacional; não se reduz à intervenção nos edifícios, seus interiores e fachadas. A regeneração urbana é muito mais do que isso: é revitalizar as cidades, repovoar os centros urbanos, atrair investimento, aumentar a sustentabilidade ambiental, dinamizar negócios, melhorar o ordenamento do território, aumentar a mobilidade local das pessoas e a mobilidade territorial das famílias…

Este projecto é bom para Portugal e para as empresas portuguesas, que vão recorrer ao know-how da engenharia e arquitectura portuguesas, com recurso a materiais portugueses, com soluções de eficiência energética e urbanísticas de base nacional.
A regeneração urbana é um plano da maior racionalidade, a todos os níveis:

• Financeiramente, traduz-se num aumento de receita para o Estado e contribui para uma efectiva redução do défice;
• Economicamente, traduz-se na criação de riqueza e na dinamização do tecido empresarial nacional;
• Socialmente, representa a criação de centenas de milhares de postos de trabalho, ao longo de vinte anos além de que, a prazo, oferecerá às famílias que vivem no nosso país a garantia de que poderão encontrar habitações adequadas às suas reais necessidades e possibilidades.

Adicionalmente, este plano irá ainda potenciar indústrias conexas à da construção e do imobiliário e outras áreas de negócio e investimento.

Existem, no nosso país, cerca de 550 mil fogos devolutos; 34% do nosso parque habitacional carece de reabilitação; somos, dos países europeus, dos que menos investimos em reabilitação – ocupamos o 3.º lugar dos países com a maior percentagem de habitação própria, mas somos o 2º País da UE com a menor percentagem de habitações destinadas ao arrendamento… as famílias portuguesas, simplesmente, não têm mobilidade.

O mercado de trabalho ressente-se com este excesso de fixação das pessoas no território e as assimetrias regionais e de desenvolvimento acentuam-se de forma gritante.
Por isso é que “fazer acontecer a regeneração urbana” pode contribuir para dinamizar a economia e contribuir para aumentar a riqueza nacional: por cada emprego criado no sector da construção, geram-se mais dois empregos adicionais; por outro lado, por cada euro que se investe em construção, gera-se um total de 2 euros e 19 cêntimos em actividade económica directa e indirecta. Ou seja: há um efeito multiplicador do investimento em construção e imobiliário.

O documento elenca todas as medidas e propostas. A intervenção da CIP não se esgota na realização deste estudo nem na sua divulgação. Estamos profudamente interessados em colaborar com o Governo, apontando as medidas concretas a tomar nos domínios fiscal e da legislação sobre o arrendamento, bem como em todos os outros em que se mostre necessário intervir para reabilitar as cidades, requalificar os centros urbanos e recuperar edifícios degradados, isto é, colaborar com o Estado, aos níveis centrais e locais, “para fazer acontecer a regeneração urbana”.

Para conhecer o documento, clique aqui.

Circular do BdP dá instruções à Banca para que os Relatórios de Avaliação dos Imóveis sejam disponibilizados aos clientes

Comunicado do Banco de Portugal

Código de conduta no crédito à habitação relativo à disponibilização aos clientes do relatório de avaliação do imóvel
O Banco de Portugal tem conhecimento, através da sua actividade de supervisão comportamental, designadamente pela análise de reclamações e pedidos de informação, de que algumas instituições de crédito não disponibilizam aos seus clientes o relatório de avaliação do imóvel destinado a garantir o crédito à habitação, mesmo quando o respectivo custo é suportado por esses clientes.

O Banco de Portugal considera que a não disponibilização do relatório de avaliação do imóvel pode pôr em causa o integral cumprimento dos deveres de transparência e de lealdade a que as instituições de crédito estão vinculadas nas relações com os seus clientes, conforme decorre dos artigos 73.º e seguintes do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras.

Em consequência, o Banco de Portugal transmitiu o seu entendimento às instituições de crédito, através de Carta-Circular, de que a disponibilização do relatório de avaliação do imóvel não só corresponde a uma boa prática nas suas relações com os clientes, como dá cumprimento aos deveres de conduta, designadamente de transparência, a que as instituições estão obrigadas.

O Banco de Portugal Inicia, deste modo, a publicação de códigos de conduta que reúnam as boas práticas a seguir pelas instituições nos diversos mercados bancários a retalho, nomeadamente no do crédito à habitação.

Conheça aqui a Circular enviada pelo BdP

Sendo as avaliações para credito hipotecário pagas pelos clientes parece-nos de inteira justiça que os relatórios lhes sejam disponibilizados. Assim, saudamos este comunicado do BdP que, no nosso entender, vem dar mais um importante contributo para a necessária transparência e lealdade entre os intervenientes dos processo de concessão de credito e do trabalho levado a cabo pelos avaliadores.

RICS Portugal apresenta Red Book no dia 30 de Novembro no ISEG


No próximo dia 30 de Novembro no ISEG o RICS Portugal vai proceder ao lançamento do livro Normas de Avaliação RICS, popularmente conhecido como o Red Book, desta feita com uma versão em Português.

O evento terá lugar no Auditório CGD do Edificio do Quelhas, no ISEG (Rua das Francesinhas). Contará com a presença de Robert Peto FRICS, Presidente Mundial do RICS, Jose Miguel Almeida, Director Regulação de Mercados, CMVM, Michael Fox FRICS Director de Avaliação e Consultadoria Europa de Eurohypo e Jose Covas Presidente Grupo Profissional de Avaliação RICS Portugal.

PROGRAMA
10:00-10:30 Registro
10:30 Boas vindas e introdução – Eric van Leuven FRICS Chairman RICS Portugal , Managing Partner Cushman Wakefield
10:40 O que é realmente o Red Book – Jose Covas MRICS – Membro do Conselho de Direcção RICS Portugal, Chairman Valuation Professional Group Portugal, Director Worx Consultoria e Avaliação
11:00 The view of the end-user – Michael Fox FRICS – Head of Real Estate Appraisal and Consulting, Eurohypo AG
11:20 The view of the regulator – Exmo Dr. José Miguel Almeida – Director- Departamento de Supervisão da Intermediação e Estruturas de Mercado, CMVM
11:45 Market Value and Finantial Stability Robert Peto FRICS Worldwide President RICS

O evento tera um custo de 100€ (incl IVA a taxa em vigor) sendo que os assistentes receberão um exemplar do Red Book.

Para mais informação consulte a pagina do RICS Portugal

Prémio André Jordan – Investigação e Economia do Imobiliário – 2ª Edição 2010-2012


Depois da apresentação dos vencedores da edição 2008-2010 da 1ª edição do Prémio André Jordan foi já lançada a 2ª edição deste prémio de investigação em Imobiliário.

Relativamente à 1ª Edição do Prémio (2008-2010) foram premiados 3 trabalhos.
No âmbito das Teses de Doutoramento/Artigos Científicos foram premiados dois trabalhos: “A compared Analysis of the Portuguese Real Estate Investment Market on Maturity and Transparency Issues”, da autoria de Filipe Almeida Vasques e foi entregue uma menção honrosa a Ricardo Mateus pelo trabalho “Avaliação da Sustentabilidade da Construção – Propostas para o Desenvolvimento de Edifícios Sustentáveis”.
No âmbito das Teses de Mestrado, o prémio foi entregue a Pedro Mestre, com o trabalho “Avaliação de Bens Imobiliários face ao seu Potencial para Reabilitação, Comparação entre o Valor de Bens Imóveis Reabilitados e Reconstruídos, Zonas Históricas de Lisboa”.

Com a atribuição de um prémio pecuniário de 7500 Euros para teses de Doutoramento e artigos científicos e de 1000 Euros para teses de Mestrado, este prémio de investigação em imobiliário vem promover a realização de trabalhos de investigação sobre economia do imobiliário e disseminar esse conhecimento pelos profissionais do mercado estreitando relações entre entre o conhecimento cientifico e o mundo profissional/empresarial.

O júri, presidido por Augusto Mateus (Professor Catedrático Convidado, ISEG), integra diversas personalidades do mundo académico – José Costa (Professor Catedrático, FEP) e José Crespo de Carvalho (Professor Catedrático, ISCTE) – e do mundo empresarial – Eric van Leuven (Chairman do RICS Portugal), Francisco Rocha Antunes (Chairman da ULI Portugal) e Gilberto Jordan (CEO do Grupo André Jordan).

Para mais informações sobre o prémio faça o download da brochura.

SIL – Salão Imobiliário de Portugal – de 21 a 24 de Outubro na FIL


Durante os próximos dias 21 a 24 de Outubro terá lugar na FIL no parque das Nações a 13ª edição do SIL – Salão Imobiliário de Portugal. Realizando-se desde 1998, o SIL tem registado uma evolução permanente ao longo das várias edições, adaptando-se às necessidades do mercado, alcançando o reconhecimento nacional e internacional e tornando-se no ponto de encontro obrigatório para investidores, empresários, técnicos, organismos públicos e público potencial comprador.

No SIL 2010, destacam-se:
Novas áreas de negócio

SIL Cidades – Promoção do mercado das cidades e das regiões
SIL Office – Promoção do mercado de Escritórios
SIL Retail & Logistics – Promoção do imobiliário para fins comerciais ou industriais

Prémios Nacionais do Imobiliário SIL 2010
Os Prémios Nacionais do Imobiliário SIL 2010, 2ª edição, reconhecem e dão mais prestígio a pessoas, empresas, entidades que se tem destacado no panorama do mercado imobiliário nacional.

Actividades Paralelas
Com o envolvimento de empresas, associações sectoriais e sócio-profissionais, autarquias, organismos públicos e personalidades de reconhecido mérito e competência no sector, terão lugar no SIL diversas Actividades Paralelas, destacando-se:
Leilões Imobiliários
Bolsa de Arrendamento
Ciclos de Conferências SIL

Todos os detalhes em http://www.imobiliario.fil.pt

Marque já na sua agenda os dias 21 e 24 de Outubro.

Imprima aqui o seu convite
Conheça o Programa do Ciclo de Conferencias

BRAZIL INVESTMENT CONNECTION – 22 Out. em Lisboa

A Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil – ADIT – apresenta o BRAZIL INVESTMENT CONNECTION.
Informação e Networking, o evento será um oportunidade unica para conhecer e aprender com autoridades e empresários brasileiros quais as reais oportunidades de negocios no mercado imobiliário brasileiro.
No BRAZIL INVESTMENT CONNECTION vai poder também conhecer histórias de sucesso dos portugueses qua já apostaram no Brasil, quais os cuidados que os investidores Portugueses devem ter para entrar no mercado brasileiro e como a ADIT pode ajudar-los a investir no Brasil.

O Seminário de Investimentos Imobiliários e Turísticos do Brasil terá lugar no proximo dia 22 de Outubro das 9h às 13h no Hotel Dom Pedro em Lisboa.

Veja mais infrmação na BROCHURA e inscreva-se já

Congresso de Inovação na Construção Sustentável – CINCOS´10

O Congresso de Inovação na Construção Sustentável, CINCOS´10, é um evento organizado pela Plataforma para a Construção Sustentável, reconhecida pelo QREN como entidade gestora da Estratégia de Eficiência Colectiva do cluster Habitat Sustentável ,em Portugal. O evento pretende congregar empresas, autarquias, centros de I&D, associações empresariais e outros agentes de desenvolvimento com interesse na Sustentabilidade do Ambiente Construído, enquanto mote para a Inovação e reforço da Competitividade. O Congresso é um evento para o cluster Habitat Sustentável onde se pretende promover sinergias e parceriais geradoras de inovação, realçar o trabalho efectuado pelas entidades do Cluster e fomentar a sua diferenciação e internacionalização.

O evento ocorre de 4 a 6 de Novembro de 2010, no Curia Palace Hotel, na Curia.

Todas as Informações em CINCOS’10/